Home

Mensagem

José Fernandes
José Fernandes

Quando em setembro de 1977 se realizou, numa sala da então Escola Primária do Motelo, a 1ª exposição de antiguidades agrícolas, os seus jovens promotores, liderados pelos irmãos Manuel e Jerónimo Ferreira, porventura estariam longe de imaginar que estavam a dar o passo decisivo para a edificação do atual Museu de Agricultura de Fermentões e, dessa forma tão desprendida e humilde, tornar “visível” todo o labor  de uma comunidade eminentemente agrícola, cuja característica levou a que fosse já anteriormente conhecida pelo empreendedorismo social das suas gentes e que, também por essa altura, veio a ter reconhecimento, consolidando na criação desta Casa do Povo de Fermentões, os já longos anos do movimento social e associativo.

No que ao acervo físico respeita, esse constitui-se hoje como uma referência na sua especificidade museológica. Dele resulta um espólio cuja recolha foi iniciada no começo dos anos 70 e é composto por peças maioritariamente das Quintas da região, quer doadas quer adquiridas junto dos lavradores/agricultores. E não; não se trata apenas de meros e antiquados  instrumentos de trabalho ou do que resultou dele. Existe algo profundo, muito mais profundo, quando observamos muitos daqueles artefactos e alfaias agrícolas e que não se explica:  sente-se e percebe-se pela observação mais atenta que foram esculpidas pela severidade do tempo e pelo sangue, suor e lágrimas – muitas lágrimas, da dureza do trabalho e das histórias vividas -, daqueles nossos concidadãos que, julgo, maioritariamente se envolviam  no amanho e trabalho da terra. Talvez por isso, este é um Museu feito da Alma das nossas gentes,  de alguma forma aqui imortalizada pelos vários – e foram muitos, e bons –  obreiros e colaboradores deste espaço museológico que, sábia e humildemente, foram dirigidos por aquele que foi seu primeiro Diretor, até ao seu último suspiro de vida no início de janeiro de 2015, Jerónimo Ferreira de seu nome, que com labor e persistência foi coligindo um legado, material e imaterial que, pela sua importância, transmitiu a todos nós uma responsabilidade maior: estar à altura e ter a capacidade de o conservar, acrescentar e potenciar, com vista ao seu futuro reconhecimento como museu comunitário.

Estando hoje na era digital, também porque vivenciamos um tempo diferente, faz todo o sentido que o espaço museológico possa ultrapassar o espaço físico das suas paredes, bem como o das paredes dos espaços Escola onde já tem núcleo, dando a conhecer às atuais e futuras gerações  o exemplo do trabalho árduo e sofrido dos homens e das mulheres que marcaram gerações e ajudaram a erigir uma parte significativa da identidade comum da nossa comunidade, levando ao conhecimento universal uma parte importante da nossa história comum comunitária.

A Alma, essa, já lá está.

Aqui fica um agradecimento especial ao Coordenador do Museu de Agricultura, Manuel Ferreira, porque o fundou e porque denodadamente continua a entregar-se à causa que ele próprio criou e, nele, reconhecer e agradecer a toda a sua Equipa, bem como aos Colaboradores e Amigos do Museu, individualidades e instituições que emprestam o melhor de si pela causa comum. Sem o trabalho e contributo altruísta e filantropo que têm devotado à nossa instituição em geral e ao Museu em particular, teria sido bem mais difícil, senão impossível, chegarmos até aqui. Bem hajam.

O Presidente da Direção da Casa do Povo de Fermentões

José Fernandes


Manuel Ferreira
Manuel Ferreira

Como se compreenderá, é, para mim, motivo de grande satisfação, ver que, finalmente, o Museu de Agricultura de Fermentões consegue apresentar, publicamente, a sua Página WEB, já com alguma informação, no dia 26 de Setembro de 2020, no âmbito das suas iniciativas do Programa das Jornadas Europeias do Património 2020.
É evidente que, ao apresentarmos, publicamente, esta Página WEB do Museu, o mesmo é feito, com a consciência de que nunca é um trabalho acabado.
Por isso mesmo, disso temos a certeza, vamos continuar a ver o que ainda falta, para podermos ter uma página que honre a História do Museu de Agricultura de Fermentões.

Em final da década de 1990, numa iniciativa liderada pela Universidade do Minho, o Museu de Agricultura de Fermentões esteve envolvido na organização de uma Página WEB, no Programa GEIRA – Página.
Entretanto, perante a evidência de não podermos entrar naquela página, para a podermos reorganizar e atualizar, vimo-nos na obrigação de procurar uma nova Página WEB, o que, depois de várias tentativas inconclusivas, acabou por se conseguir, agora, no âmbito do Programa das Jornadas Europeias do Património 2020.
E, na verdade, com um Grupo de Voluntários, coordenado pela Drª Maria João Pinto, Grupo que integra o Sr. João Silva e o Dr. Pedro Cardoso, a quem agradeço o esforço, e o entusiasmo com que aceitaram o desafio, e que, na verdade, em relativo pouco tempo, o conseguiram concluir.
Entretanto, para a evolução dos nossos trabalhos relacionados com a Página WEB do Museu, vamos ter, também, o apoio e o envolvimento da Casa de Sarmento, no âmbito da Parceria estabelecida, oportunamente, nomeadamente, na digitalização de documentos, das fichas individuais de cada uma das peças do nosso acervo museológico.
E vamos contar, também, neste trabalho, com a colaboração da Drª Olga Faria, no âmbito do Contrato Emprego Inserção, oportunamente, aprovado pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional.
Neste momento, devo evidenciar, ainda, duas outras iniciativas em concretização no âmbito das Jornadas Europeias do Património 2020, a saber:

  1. O Lançamento, no dia 25 de Setembro, do Canal YouTube, do Museu de Agricultura de Fermentões, iniciativa da Professora Luísa Nogueira, representante do Agrupamento Fernando Távora para o Programa Educativo do Museu;
  2. A Apresentação pública da Exposição “Peças de Artesanato feitas com Rolhas de Cortiça”, do Artesão e Membro da Comissão de Acompanhamento e de Dinamização do Museu, João Manuel Ferreira.

Iniciativas que, na verdade, honram o Museu de Agricultura de Fermentões, nestas comemorações das Jornadas Europeias do Património 2020.

Fermentões, 26 de Setembro 2020.

Manuel Ferreira
Coordenador da Comissão de Acompanhamento e de Dinamização do Museu





“Um Museu normal tem um objetivo oficial: servir o conhecimento e a cultura. Um Museu Comunitário tem outro objetivo: servir a Comunidade e o seu Desenvolvimento”

Hugues de Varine


Ex- Diretor Geral do ICOM e Membro do Conselho Científico do Museu de Agricultura de Fermentões.

Sobre nós

O Museu de Agricultura de Fermentões foi criado em Setembro de 1983 e pertence a Casa do Povo de Fermentões.

Mais sobre nós

FAQ

  • Perguntas frequentes

Saiba Mais

Create your website with WordPress.com
Iniciar